ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON



TERRITÓRIO IV

Dança

Largo do Teatro Nacional de São Carlos


27 de julho, terça-feira — 21h

28 de julho, quarta-feira — 21h



     

Classificação etária M/6

     

Evolving

Shahar Binyamini Coreografia

 

In(di)visível, Curta-metragem

João Afonso Vaz Realização

 

Entity

(excertos)

Wayne McGregor Coreografia

   
       

Na sua 4.ª edição, o espetáculo Território IV traz a Portugal o multipremiado coreógrafo britânico Wayne McGregor e o coreógrafo emergente israelita Shahar Binyamini. Território IV é um programa dos EVC que culmina com a apresentação de um espetáculo e cujo processo serve de plataforma para o início de carreiras e contribui para alargar o espetro de opções profissionais, clarificando o olhar de cada participante relativamente ao seu futuro. Os 12 jovens bailarinos vindos de escolas de dança de todo o país, desenvolvem trabalho com coreógrafos de projeção internacional, mergulhando num ambiente de grande exigência profissional, equiparado ao que encontrarão futuramente numa companhia de repertório. João Afonso Vaz, vencedor do prémio Território|Estúdios Victor Córdon, na categoria Melhor Realizador Nacional da 12.ª edição do InShadow — Lisbon ScreenDance Festival, realiza a curta metragem que integra o espetáculo.


Alan Nascimento, Aymara Contreras, Carmo Monteiro, Carolina Fernandes, Gabriel Pimparel, Inês Lopes, Isabela Rochael, Kauêh Costa, Mariana Faria, Mariana Mora, Mariana Serôdio, Mariana Vieira
Interpretação

   

Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, Centro de Dança do Porto, Camada – Centro Coreográfico, DNA — Dance N’Arts, Escola da Companhia de Dança do Algarve, Ent’Artes - Escola de Dança, Escola Domus Dança, Ginasiano Escola de Dança, Pallcº Performing Arts School & Conservatory
Escolas de Dança representadas

   

OPART | Estúdios Victor Córdon
Conceito e produção

   

InShadow - Lisbon ScreenDance Festival, Teatro Nacional de São João (TNSJ)
Parceiros



       

Estreia

27 e 28 JUL 2021, 21h
Largo de São Carlos

   

Digressão

31 de JUL 2021, às 19h e 1 AGO 2021, às 16h
TNSJ, Monteiro de São Bento da Vitória

   

   

Evolving

Shahar Binyamini Coreografia

Yotam Baruch Assistente

Bruna de Moura (violoncelo) e Carolina Duarte (violino) Criação musical e interpretação

Shahar Binyamini Desenho de luz

Shahar Binyamini Figurinos

     

Evolving, nova criação de Shahar Binyamini, usa a ideia de superação a partir da sua perspetiva conceptual e da sua expressão física na dança. Nesta ação, os limites físicos dos bailarinos são a ferramenta de trabalho para o desenvolvimento do processo criativo. Os bailarinos utilizam os músculos em constante esforço na procura de um entendimento coletivo. Como entidades distintas, enquanto corpos individuais, os interpretes buscam um ponto de união de forças no qual concretizam, individualmente, o seu poder e singularidade; num esforço incessante na descoberta de um lugar comum, que os motiva a movimentarem-se e a interagirem num mundo caótico.

Shahar Binyamini é coreógrafo e performer. Entre 2006 e 2013 dançou na Batsheva Dance Company. Em 2016, Shahar iniciou o seu percurso internacional enquanto coreógrafo, depois de criar FLAT para o Frontier DanceLand, em Singapura. Desde então, o seu trabalho esteve presente em várias companhias de dança e teatros internacionais, nomeadamente no Saarländisches Staattheater, Alemanha; University of California, Los Angeles, EUA; Ate9, Los Angeles, EUA; Gauthier Dance/Dance Company Theaterhaus Stuttgart, Alemanha; Frontier DanceLand, em Singapura; Norrdans, Suécia; Festspielhaus St. Pölten, Áustria; Staatsballett Hannover, Alemanha; e Ballet de l’Opéra National du Rhin, França. Em 2013, criou o grupo de pesquisa TNUDA, com sede no Weizmann Institute of Science, que integra bailarinos, cientistas e coreógrafos e explora a relação entre a ciência e o movimento.


   

In(di)visível

João Afonso Vaz Realizador

Paulo Derriça Assistente de imagem

André Mendes Edição

Grazie Pacheco Assistente de edição

João Sanchez Colorista

João Ferreira Música original

     

   

Entity

(excertos)

Wayne McGregor Conceito, direção e coreografia

Catarina Carvalho Remontagem

Jon Hopkins Música original

Patrick Burnier Cenografia e figurinos

Lucy Carter Desenho de luz

     

Entity, coreografia multipremiada de Wayne McGregor, tem sido um verdadeiro sucesso desde a sua estreia em 2008. Tecnicamente surpreendente, emocionalmente intransigente e impactante, o trabalho de McGregor desafia a categorização. Criada em paralelo com um projeto de pesquisa internacional que engloba coreografia e inteligência artificial, Entity é uma mistura impressionante de corpos, luzes, tecnologia e imagem — uma viagem de tirar o fôlego pela paisagem sonora dos Coldplay e dos Massive Attack com a colaboração de Jon Hopkins e do premiado Joby Talbot. A peça recebeu o prémio na área da dança Sound Bank Show, em 2009; o prémio Movimentos Dance no mesmo ano; o Prémio do Público do Dance Week Festival de Zagreb, em 2008; e o prémio Critics' Circle para o bailarino Anh Ngoc Nguyen. A versão de Entity apresentada no programa Território IV é uma remontagem de excertos da peça original.

     

Wayne McGregor CBE é um coreógrafo e diretor multipremiado.
Diretor artístico do Studio Wayne McGregor, que celebrou o seu 25.º aniversário em 2018. McGregor é também coreógrafo residente do Royal Ballet e é regularmente convidado por companhias de dança internacionais e para colaborar em filmes (Harry Potter, Fantastic Beasts, Mary Queen of Scots), videoclipes (Radiohead, Chemical Brothers), eventos de moda (Gareth Pugh, London Fashion Week 2017), campanhas publicitárias (everyBODY para a Selfridges) e televisão (Brit Awards). O Studio Wayne McGregor é a sua plataforma criativa. Dela fazem parte a Companhia Wayne McGregor, o seu grupo de bailarinos (companhia residente no Sadler’s Wells); um portfólio de encomendas e colaborações artísticas internacionais e multidisciplinares, incluindo dança, artes visuais, laboratórios de leitura, filmes, teatro e ópera; um programa altamente especializado em aprendizagem criativa para pessoas e comunidades; iniciativas para o desenvolvimento dos artistas incluindo os programas FreeSpace e QuestLab Network; e projetos de pesquisa colaborativa através da transdisciplinaridade das artes com a ciência, tecnologia e pesquisa académica.