DA OPERETA À CANÇÃO NAPOLITANA


 

MÚSICA
Largo do Teatro Nacional de São Carlos
13 julho, terça-feira — 21h


 

Dora Rodrigues Soprano

Marco Alves dos Santos Tenor

Ceciliu Isfan Direção Musical

Orquestra Sinfónica do Conservatório Regional de Artes do Montijo

   

Classificação etária M/6

   

Franz Lehár

A Viúva Alegre — «Weiber Marsch»

Pagani — «Liebe du Himmel auf Erden»

Pagani — «Gern hab´ich die Frauen geküsst»

Giuditta — «Meine Lippen küssen so heiss»

A Viúva Alegre - «Lippen Schweigen»

 

Paul Lincke

Lysistrata, «Glühwürmchen-Idyll»

 

Ernesto De Curtis

«Torna a Surriento»

 

Rodolfo Falvo

«Diciteciello vuie»

 

Ernesto De Curtis

«Non ti scordar di me»

 

Teodoro Cottrau

«Santa Lucia»

 

V.D´Annibale

«O Paese d’o sole»

 

Eduardo di Capua

«O Sole mio»

 

   

Cada povo tem o seu (en)canto, mas povos há cujos (en)cantos irradiaram para o mundo e são hoje familiarmente cantados em todo o planeta. Teremos a noite dominada por duas grandes tradições musicais europeias surgidas impetuosamente há mais de um século: a opereta vienense e a canção napolitana. Ambas floresceram num dos mais exuberantes eixos musicais do nosso continente e ambas se fundam na vertigem melódica e no supremo encanto da voz humana. Áustria e Itália ensinam-nos como se canta o amor, a luz, o sol, submergindo-nos num universo sonoro que, embora não descartando a nostalgia, parece imune à tristeza.