GRUPO DE CORDAS DA OSP
E OCTETO DE VIOLONCELOS

MÚSICA
Pátio do Palácio Nacional da Ajuda
11 julho, sábado — 21:30

 

Soprano
Susana Gaspar

 

Elementos da Orquestra Sinfónica Portuguesa

   

Classificação etária M/6

Johann Sebastian Bach (1685-1750)

Concerto Brandeburguês n.º 3 em Sol Maior, BWV 1048

Liderado por Pedro Meireles

 

Heitor Villa-Lobos (1887-1959)

Bachianas Brasileiras

N.º 1, para oito violoncelos

N.º 4, Prelúdio para orquestra de cordas

N.º 5, para soprano e oito violoncelos

Liderado por Pedro Meireles

       

   

Torniamo al passato; sarà un progresso, aconselhou-nos Verdi. O programa de hoje prova que esse passo atrás, em arte, pode não ser um gesto conservador ou reacionário. Pode e deve ser um gesto de Homenagem! A iniciar, um dos Concertos Brandeburgueses de Johann Sebastian Bach, peças consideradas fulcrais na história da música. Logo de seguida, uma revisitação ao seu espírito e feitura na produção do compositor Heitor Villa-Lobos. As Bachianas Brasileiras, deste último, foram obras escritas a partir de 1930 para formações diversas onde se tentou fundir material folclórico brasileiro e formas pré-clássicas. Villa-Lobos intentava construir uma versão brasileira dos Concertos do grande mestre barroco alemão.


         

BIOGRAFIAS

   

ORQUESTRA SINFÓNICA PORTUGUESA


Cordas da Orquestra Sinfónica Portuguesa

Criada em 1993, a Orquestra Sinfónica Portuguesa (OSP) é um dos corpos artísticos do Teatro Nacional de São Carlos. Tem vindo a desenvolver uma atividade sinfónica própria, incluindo participações em festivais de música nacionais e internacionais. Colabora com a RTP através da transmissão dos seus concertos e óperas pela Antena 2, com destaque para a tetralogia O Anel do Nibelungo e Dialogues des Carmélites, a participação no Prémio Pedro de Freitas Branco para Jovens Chefes de Orquestra, no Prémio Jovens Músicos-RDP e na Tribuna Internacional de Jovens Intérpretes. Tem-se apresentado sob a direção de maestros como Rafael Frühbeck de Burgos, Alain Lombard, Nello Santi, Alberto Zedda, Harry Christophers, George Pehlivanian, Michel Plasson, Krzysztof Penderecki, Djansug Kakhidze, Jeffrey Tate, entre outros. A discografia da OSP conta com dois CD para a etiqueta Marco Polo, com as Sinfonias n.os 1, 3, 5 e 6 de Joly Braga Santos, as quais gravou sob a direção do seu primeiro maestro titular, Álvaro Cassuto, e Crossing borders (obras de Wagner, Gershwin e Mendelssohn), sob a direção de Julia Jones, numa gravação ao vivo pela Antena 2. No cargo de maestro titular, seguiram-se José Ramón Encinar (1999-2001), Zoltán Peskó (2001-2004) e Julia Jones (2008-2011); Donato Renzetti desempenhou funções de primeiro maestro convidado entre 2005 e 2007. Atualmente, a direção musical está a cargo de Joana Carneiro.