ORQUESTRA
SINFÓNICA
PORTUGUESA

MÚSICA
12 e 13 de julho
sexta-feira e sábado — 21:30

 

Direção musical
Johannes Stert


 

Orquestra Sinfónica Portuguesa
Maestrina titular Joana Carneiro

 

Carlos Azevedo (n.1964)

Largo — estreia mundial

(nova encomenda TNSC)

 

Nicolai Rimsky-Korsakov (1844-1908)

Capricho Espanhol, op.34

 

Ludwig van Beethoven (1770-1827)

Sinfonia n.º 8 em Fá Maior, op.93

       
       

Carlos Azevedo é não só compositor de música clássica, mas também um importante elemento do movimento jazzístico portuense. Ingressou no Conservatório do Porto em 1982. A obra que será apresentada neste concerto é o resultado de uma encomenda que se integra na celebração dos 25 anos da Orquestra Sinfónica Portuguesa.
Capricho Espanhol, op.34, amplamente elogiado pela sua orquestração, é uma suite orquestral com cinco andamentos interpretados sem interrupção e composta por Rimsky-Korsakov em 1887. Concebida originalmente para violino solo e inspirada em temas do folclore espanhol, a obra prova que não foram só os compositores franceses a sucumbir aos encantos das paisagens e da música de Espanha.
Com 41 anos de idade, Ludwig van Beethoven (1770-1827) compôs durante o verão de 1812 a sua 8ª Sinfonia em Fá Maior, op.93. Todos os 4 andamentos desta obra são percorridos por uma atmosfera de notável jovialidade e, em muitas passagens, de características alegremente ruidosas. Apesar de já acusar avançados sinais de surdez, foi o próprio Beethoven quem dirigiu a estreia a 27 de fevereiro de 1814 na Redoutesaal, em Viena, precisamente na mesma sala onde a sua 7.ª Sinfonia fora ouvida pela primeira vez dois meses antes.


BIOGRAFIAS

   

ORQUESTRA SINFÓNICA PORTUGUESA


Orquestra Sinfónica Portuguesa

Criada em 1993, a Orquestra Sinfónica Portuguesa (OSP) é um dos corpos artísticos do Teatro Nacional de São Carlos. Tem vindo a desenvolver uma atividade sinfónica própria, incluindo participações em festivais de música nacionais e internacionais. Colabora com a RTP através da transmissão dos seus concertos e óperas pela Antena 2, com destaque para a tetralogia O Anel do Nibelungo e Dialogues des Carmélites, a participação no Prémio Pedro de Freitas Branco para Jovens Chefes de Orquestra, no Prémio Jovens Músicos-RDP e na Tribuna Internacional de Jovens Intérpretes. Tem-se apresentado sob a direção de maestros como Rafael Frühbeck de Burgos, Alain Lombard, Nello Santi, Alberto Zedda, Harry Christophers, George Pehlivanian, Michel Plasson, Krzysztof Penderecki, Djansug Kakhidze, Jeffrey Tate, entre outros. A discografia da OSP conta com dois CD para a etiqueta Marco Polo, com as Sinfonias n.os 1, 3, 5 e 6 de Joly Braga Santos, as quais gravou sob a direção do seu primeiro maestro titular, Álvaro Cassuto, e Crossing borders (obras de Wagner, Gershwin e Mendelssohn), sob a direção de Julia Jones, numa gravação ao vivo pela Antena 2. No cargo de maestro titular, seguiram-se José Ramón Encinar (1999-2001), Zoltán Peskó (2001-2004) e Julia Jones (2008-2011); Donato Renzetti desempenhou funções de primeiro maestro convidado entre 2005 e 2007. Atualmente, a direção musical está a cargo de Joana Carneiro.


         

JOHANNES STERT


Johannes Stert

Maestro Principal na Ópera de Colónia e Maestro Convidado Principal na Ópera de Graz, durante vários anos, Johannes Stert depressa se tornou muito requisitado pelos mais importantes teatros de ópera de todo o mundo. Em 2008, estreou-se no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa, com La Clemenza di Tito, tendo regressado no ano seguinte com Don Giovanni, e Dona Branca, em 2011. Muito recentemente, dirigiu uma nova produção de Die Zauberflöte na Ópera Nacional Coreana, em Seul. Em dezembro de 2009, estreou-se na Royal Danish Opera, em Copenhaga. Entre as temporadas de 2009-2014, Johannes Stert colaborou com os teatros alemães de Magdeburg e Staatstheater Oldenburg. Foi convidado a colaborar em vários festivais, tais como o Wiener Festwochen; Triennale Köln; Festival de Montepulciano; Festival “Dei due Mondi”, em Spoleto; Dresdner Festival de Música Contemporânea; Festival de Hitzacker; Festival “Schreyaner Autumn”; e Hamburg State Opera. Diversos concertos e projetos advieram da estreita colaboração que Johannes Stert tem mantido com importantes compositores como Karlheinz Stockhausen, John Cage, Manfred Trojhan, Johannes Fritsch, Volker Staub, Detlev Glanert, Maurizio Kagel e Hans Werner Henze. É frequentemente convidado para dirigir conceituados novos agrupamentos musicais, como o Ensemble Recherche e o Ensemble Köln. Johannes Stert é, desde 2004, Maestro Convidado da WDR Radio Orchestra, de Colónia. Além de concertos, dirigiu as gravações em CD da, pouco conhecida, ópera Merlin de Karl Goldmark, bem como as estreias dos dois concertos para piano de Friedrich von Flotow.